sábado, 20 de novembro de 2010

Fado do Destacamento veterano (1969?)

Do Cancioneiro do Niassa, publicação não oficial organizada no "Estado-Maior do Comando da Defesa Marítima dos Portos do Lago Niassa" em 1969, em capítulos (apresentados em diferentes cores de acordo com a classificação atribuída ao conteúdo de cada fado /canção, face especialmente ao vernáculo utilizado). Contem fados duma recolha dos que já eram nessa data conhecidos e outros compostos por essa altura em Metangula.

À data da edição deste Cancioneiro o DFE5 já não se encontrava em Metangula, mas no Cobué.


Fado do Destacamento Veterano

Já fiz 20 ou já fiz 30,

Fiz 40 operações!

Sem falhar ou sem que minta

Palmilhei mato aos montões!

D’engolir tantas rações,

Eu d’entro em pouco rebento,

Passei noites ao relento,

Sem dormir um só momento!


(Refrão)

Oh! Turra

Vai-te embora

Ai de mim, estou tão cansado!

Meu corpo já está todo escavacado!


Passar a vida toda a emboscar

Nomadizar e palmilhar,

Isto é que é frete, isto é que é fado!

Tem pena e pensa em mim

Que é p’ra meu bem!

Deixa-te capturar,

Que é p’rá guerra acabar!


Não posso mais da “carcassa”

Sinto tudo do avesso

Desde que vim p’ro Niassa,

Nem conserto eu já mereço!

Quando chegar à terrinha,

Não sei se vou todo inteiro!

Que raio de ideia a minha,

De ter dado em fuzileiro!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Da Revista da Armada

Fotografia publicada na Revista da Armada num artigo do capelão do nosso tempo no Niassa Padre Delmar Barreiros, na foto à direita.


O Comandante do nosso DFE5 à esquerda (Luís Filipe Vidigal Aragão, então 1º Tenente) e ao centro um oficial da CF4 (Bettencourt) que muito apoiou o capelão na construção e equipamento da capela das instalações navais de Metangula, inaugurada em 1969.

_

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Filme sobre os Fuzileiros portugueses Séc XXI

Um interessante filme sobre a preparação actual dos Fuzileiros, a ver com som que é indispensável:

http://www.youtube.com/watch?v=P1wFWZR8Znc

É curioso comparar as semelhanças e diferenças com o treino dos fuzileiros especiais nos anos sessenta, quer no que respeita às técnicas, ao material e equipamento, quer aos teatros de operações. Os cânticos no treino físico, de influência americana mas com letras bem adaptadas à nossa realidade, também foram introduzidos muito mais tarde.

_

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Outros DFE em Moçambique

Com um jornal - Correio da Manhã - saiu, às 5ªs Feiras de 08 de Julho a 09 de Setembro de 2010, uma Colecção de 10 livros sobre "As Grandes Operações da Guerra Colonial".
O volume nº 3, de que se mostra abaixo a capa, intitulado "Fuzileiros especiais no Niassa e Cabo Delgado", apresenta, nas suas páginas 3 a 33, relatos relativos ao DFE8 que nos antecedeu em Moçambique de 1966 a 1968, no Niassa em 1966 e em Cabo Delgado em 1968, cuja experiência em operações foi muito útil na preparação e organização do nosso DFE5.
Contendo diversas fotografias, nomeadamente fotos individuais de todos os elementos (oficiais, sargentos e praças) desse DFE8, inclui também fotografias do Sr. Orlando Cristina que nos acompanhou e guiou na 1ª operação que a nossa Unidade efectuou em Moçambique, no Lago Niassa.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Vistas de Metangula, anos sessenta e setenta

Interessante a apresentação colocada no Site/Sítio Reserva Naval sobre a Base Naval de Metangula (Comando dos Portos do Lago Niassa) e que pode ser vista em
http://blogue.reserva-naval.com/metangula_som.wmv
Muitas das fotografias mostram as infraestruturas exactamente como eram no período em que o nosso DFE5 ali permaneceu, em 1969.

_

domingo, 25 de julho de 2010

Dia do Fuzileiro, 2010

No passado dia 10 de Julho de 2010, teve lugar, na Escola de Fuzileiros, o "Dia do Fuzileiro".


Tratou-se de um dia em que se reuniram, na casa-mãe, as antigas e as novas gerações.



Na foto, dum momento do desfile, pode ver-se o guião dos Destacamentos n.º 5 de Fuzileiros Especiais, que também foi o nosso.



quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ainda sobre o ataque ao Cobué

Em 15 de Julho de 1969, ainda antes dos primeiros alvores, a FRELIMO desencadeou um ataque às nossas instalações a que já fizemos referência neste blogue. Não estava presente a guarnição habitual, pois fora do aquartelamento do Cobué, em operações de nomadização, estava metade do DFE5 sob o comando do Comandante da Unidade.

Completando-se hoje exactamente 41 anos desse ataque, queremos recordar que felizmente desse ataque directo não tivemos qualquer baixa, nem mesmo feridos, apesar do intenso fogo a que estivemos sujeitos, fruto, em especial da reacção havida e da utilização da Oerlikon que nos estava atribuída com um marinheiro artilheiro para a defesa do aquartelamento.

Das armas utilizadas pelos então nossos Inimigos (IN), a de maior respeito foi o canhão sem recuo. Nos patrulhamentos feitos pela nossa Unidade no próprio dia e dias seguintes pelas imediações recolheram-se algumas dezenas de invólucros dessa arma, como o que a fotografia documenta, nos dias hoje usada como elemento simbólico mas só decorativo.
Fotos de JFAPVB

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Rações de combate

A ração de combate que utilizámos não foi sempre a mesma. Na fase inicial muitos produtos doces e salgados, nos primeiros os leites condensados e os concretos de fruta a que alguns chamavam os "croquetos", nos segundos carnes muito temperadas e enchidos. Rações mal concebidas para o cenário em que actuávamos, de elevadas temperaturas durante o dia e muitas vezes com escassez de água.

Só passados uns meses de comissão surgiu outro tipo de ração de combate, tipo 30, em caixa mais comprida, de inspiração sul-africana, com a presença de saladas de fruta e sumos.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Operação Nó Górdio (16)

Na Operação "Nó Górdio" o DFE5 teve com parceiro nas operações e no assalto à Base Nampula outro Destacamento de Fuzileiros Especiais, o DFE 11, chegado a Moçambique em data posterior à do nosso Destacamento.
Já instaladas na Base Muera as Unidades que constituíram o Agrupamento "C", o Comandante do Agrupamento, o 1º Tenente Vidigal Aragão, passou a determinar, por escala, quais as Unidades que faziam o patrulhamento e nomadização numa área exterior à daquela Base.
Num dos primeiros dias, deu-se a circunstância de o regresso de patrulha dum Grupo Especial (GE) composto por elementos de recrutamento local se ter verificado sensivelmente pelo mesmo ponto de saída para patrulhamento do DFE11, em zona muito arborizada e de pouca visibilidade, de que ocorreu um incidente com tiroteio, resultando ferimentos num dos fuzileiros desta última unidade.
Na foto a evacuação do elemento atingido, o 1º grumete Teles ordenança do Imediato do DFE11 2º Ten Cristiano de Oliveira

Foto de LCOliveira
, então Imediato do DFE11

_

terça-feira, 8 de junho de 2010

Actuação nas operações: Emboscadas

Na actuação do DFE5 foram raras as ocasiões em que os seus Grupos de Assalto não realizaram emboscadas durante as operações. Muito frequentemente na zona do Lago Niassa, quase em todas na área de Cabo Delgado, mais esporadicamente na área de Tete. Na operação "Nó Górdio" em praticamente todas as saídas da Base Muera foram montadas emboscadas expeditas, de que resultaram quase sempre capturas de elementos.
Na área do Niassa, em 1969, improvisou-se um sistema de montagem de emboscadas, expedito, sempre que se suspeitava de haver elementos adversários em perseguição ou seguimento das nossas forças: consistia na inversão da coluna, fixando-se no solo os elementos da frente daquela, virados para o lado oposto ao do sentido da marcha, prosseguindo os restantes como até aí mas estacionando imediatamente logo que ultrapassados os militares já deitados no solo e em posição. Invertia-se assim a coluna sem qualquer paragem, dando a ideia aos eventuais perseguidores que a nossa força nunca interrompera a marcha, já que no trilho usado não ficara qualquer outra pista ou marca.

Emboscada: uma operação realizada de surpresa sobre elementos adversos em movimento, para os aniquilar ou impedir de atingir determinados pontos, bem como fazer prisioneiros, colher informações, apreender armas e documentos, causar danos e criar instabilidade.

domingo, 6 de junho de 2010

Fotos individuais antigas: 1567/67


Do 1567/67 Mar FZE Sebastião Santos Vargens.
(Já falecido)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Em Mueda em 1970

Nas proximidades do local onde o DFE5 teve o seu acampamento em Tete, antes do arranque para a Operação "Nó Górdio", situava-se o "bar do china" , também cantina, muito frequentado pelos militares ali presentes, constituindo uma das poucas distracções existentes.



Diapositivo de Antides Santo

_

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Na zona de Tete. O Rio Zambeze

Ainda antes da inauguração da ponte em Tete, sobre o Rio Zambeze, uma vista sobre a cidade. Destaca-se o movimento no rio e a forma como as viaturas o podiam atravessar em cima duma jangada*.


Diapositivo (Tete - homem, canoa, monte) de Antides Santo

Nota*: Duma destas jangadas, aconteceu em 1970, ao final do dia, que um "jeep" pertencente à Força Aérea Portuguesa, que fora buscar o correio a Tete, caiu ao Rio Zambeze. A jangada encontrava-se atracada em Tete e o "jeep", depois de recolhido o correio, entrou por um lado e, não travando devidamente, saiu pelo outro lado da jangada caindo ao rio. Como o aquartelamento do DFE5 era relativamente próximo, foram-nos pedir ajuda. Estava presente o Oficial Imediato que com mais outro elemento (salvo erro o Caparica) anuíram ao pedido. Mesmo sem material de mergulho ou barbatanas e apenas em calção de banho, só em apneia, já escuro e com a corrente forte do rio, conseguiu-se localizar a viatura no fundo, com uma vara comprida que também ajudou a descida do Imediato. Depois de várias peripécias e só pelo tacto foi àquele possível passar um cabo guia que logo a seguir permitiu a passagem e a fixação dum cabo de aço numa peça na traseira do "jeep" e que esse logo de seguida fosse rebocado de terra por um tractor. Tenho uma vaga ideia de logo após a localização da viatura ainda foi possível a recolha dum dos sacos do correio no interior da mesma, mas, disto tenho a certeza, os elementos envolvidos não receberam qualquer mensagem dos proprietários do "jeep" em causa.

domingo, 9 de maio de 2010

Na Internet: Blogue "BARCO À VISTA"

Na Internet tomámos conhecimento do blogue "Barco à vista" com informações sobre a Marinha portuguesa, no qual podemos ver informações sobre os Fuzileiros, nomeadamente sobre a boina que todos os elementos do nosso DFE5 usámos (e a que continuamos a ter o direito de usar) e nos foi atribuida quando concluímos o Curso de Fuzileiros Especiais.
Pode ser visto em http://barcoavista.blogspot.com/

_

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Na zona de Tete

Nesta imagem, na estrada, de asfalto recente (fins de 1970/1971), de Tete ao Chimoio, pode ver-se, ao fundo, um daqueles morros nus tão típicos da paisagem moçambicana. Na viagem de combóio no início da comissão, de Nacala ao Niassa, vimos muitos.


Diapositivo de Antides Santo

_

domingo, 2 de maio de 2010

Porto Amélia: o porto

Em Porto Amélia, era assim em 1969 e 1970 a área do porto, onde se vê atracada uma das fragatas portuguesas que transportaram várias vezes o DFE5 para as áreas de operações.

Diapositivo de Antides Santo

_

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Na zona de Tete. Estrada Tete-Chirodze

Num regresso do Chirodzi para Tete. Também aqui, o início súbito das chuvas causou transtornos. Pior sorte teve o camião civil, que saíu fora do piso de cimento a substituir a ponte.

Nota: Noutra ocasião foi um Unimog atribuído ao DFE5, carregado de material e abastecimentos, que foi surpreendido e arrastado mais de uma centena de metros por uma torrente de água até aí retida por ramos num dos lados da estrada.

Diapositivo de Antides Santo


_

terça-feira, 27 de abril de 2010

Na zona de Tete

Na então estrada nova (tapete de alcatrão) em Vila Gouveia (hoje Catandica). No regresso de Vila Pery (hoje Chimoio), onde o Tenente Santo tinha ido frequentar um curso de pisteiros ministrado por oficiais rodesianos. O DFE5 estava nesta altura na zona de Tete.

Na foto, da esquerda para a direita: Sargento ??.., 1429/67 António Diogo Carneirinho, 1512/67 Mateus Pedro Caldinhas e Sub-Tenente FZ RN Antides Santo

Diapositivo de Antides Santo

_

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Aquartelamentos: Tete (Chirodzi)

Vista do local onde estava o prefabricado que alojava o pessoal do DFE5 destacado no Chirodzi, sobre o Rio Zambeze, numa zona a juzante da actual barragem (naquela altura em construção).

Diapositivo de Antides Santo

_

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Ainda a ponte em Tete 1970/71 (2)





Diapositivo de Antides Santo

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Ainda a ponte em Tete 1970/71 (1)

Fotografia da ponte em construção, na altura em que o DFE5 andou por Tete, tirada da margem oposta àquela cidade:

Diapositivo de Antides Santo

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Aquartelamentos: Vista do de Tete

Em finais de 1969 e início de 1970 ía assim a construção da então nova ponte sobre o Rio Zambeze, em Tete, tirada do aquartelamento ocupado pelo DFE5.

Diapositivo de Antides Santo

domingo, 28 de março de 2010

Reencontros. VIII Encontro 2010 (5)

O almoço voltou neste ano de 2010 a realizar-se no Restaurante Acordeon com a ementa já antes divulgada, tendo terminado com o habitual corte do bolo e espumante, depois dumas palavras do Oficial Imediato Villas-Bôas, em que se regozijou com a presença de todos e com a organização da Comissão Organizadora (Baião - Rosa, Carneirinho e Beites, que devido ao falecimento deste último será para 2011 substituído pelo 1184/67 Fernando Valente Maia.

Foram tiradas várias fotografias aos elementos que participaram neste Encontro, publicando-se agora apenas esta com todos os militares do DFE5 presentes (e três dos muitos familiares que nos acompanharam).

sábado, 27 de março de 2010

Reencontros. VIII Encontro 2010 (4)

Teve lugar neste dia 27 de Março o Encontro do DFE5 de 2010. Presentes muitos familiares e elementos da Unidade, um dos quais pela 1ª vez. De assinalar que voltaram a comparecer em número elevado os oficiais e sargentos do Destacamento: 3 dos 4 oficiais e 5 dos 6 sargentos.
Na Escola de Fuzileiros (EF), onde também esteve um DFE12 a realizar o seu encontro, estiveram presentes o Comandante do Corpo de Fuzileiros CALM Pichiochi (o terceiro da classe de Marinha nesta função) e o novo Comandante da Escola, CMG FZ Pereira Leite.O Capelão Licínio celebrou a Missa na capela da EF onde foram recordados individualmente todos os militares das duas unidades já falecidos, estando no altar os guiões dos dois Destacamentos.


Seguiu-se uma visita ao Museu dos Fuzileiros, que regista novos espaços e arranjos relativamente à visita anterior, após o que todos os presentes das duas Unidades se dirigiram de carro para os restaurantes que tinham reservado, para o almoço.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Reencontros. VIII Encontro 2010 (3)


Francisco Baião Rosa - Telef. 212048532 ou Telem. 916956206
António Diogo Carneirinho - Telef. 212541784

quarta-feira, 3 de março de 2010

Reencontros. VIII Encontro 2010 (2)

A Ementa do almoço do próximo dia 27 de Março:

terça-feira, 2 de março de 2010

Reencontros. VIII Encontro 2010 (1)

O Programa do Encontro do nosso DFE5 em 2010 já foi foi estabelecido pela Comissão Organizadora. Será no dia 27 deste mês de Março e pedem-nos para nos inscrevermos até ao dia 17.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Falecimento do 1171/67 Beites

Encontrava-me na Bélgica quando recebi um telefonema do Sargento Sesimbra a dar-me uma triste notícia: o falecimento há poucos dias do 1171/67 António Graucho Beites, o Beites como por todos era conhecido.
Era membro da comissão da organização do Encontro de 2010 que irá ter lugar em 27 de Março e os seus contactos (na Sobreda da Caparica) e assinatura já constavam na Carta convocatória que a todos foi dirigida para este almoço.
À sua família apresentamos as nossas sentidas condolências