quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Falecimento de elemento do DFE5: 1527/67 Arménio de Jesus Teixeira


Tivemos hoje a triste notícia de que morreu no dia 06 de Abril de 2016,  em Arouca, o Arménio de Jesus Teixeira (Teixeirinha) o 1525 /67, do nosso DFE5 . Foi sepultado em Macieira da Camara.
Informação que nos chegou através do "Algueirão" da nossa Unidade, por comunicação que lhe foi transmitida pela mulher do Teixeirinha, a quem, bem como aos restantes membros da sua Família enviamos as nossas muito sentidas condolências.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Falecimento elemento do DFE5: 601/67 Alexandre Guerreiro Lopes Perninha

Só hoje tivemos conhecimento do falecimento do Alexandre Guerreiro Lopes Perninha, Marinheiro Fuzileiro Especial (FZE) nº 601/67, do nosso DFE5, cujo cremação se estará a realizar hoje dia 10 de Outubro de 2016 na Quinta do Conde às 15h00.

À sua família enviamos os nossos sentidos pêsames.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Rações de Combate

Na Comissão do nosso DFE5 em 1969/1971, a primeira Ração de Combate, uma por dia, que nos eram fornecidas, tinha a Ementa a que consta na fotografia junta. Alguns componentes da Ração, com alto teor de sal, não muito adequados para as condições climáticas nos Teatros de Operações em que actuámos no Norte de Moçambique e para a falta de água. E recorda-se que nas operações estava completamente impedido, por razões de segurança e risco de sermos detectados, do aquecimento destas Rações.
Por graça alguns dos elementos da nossa Unidade (seria só no nosso DFE5?) chamavam aos concretos de fruta, fruta tipo cristalizada, dulcíssima, os "croquetos".

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Livro "The Fuzileiros Portuguese Marines in Africa (1961-1974)"



  A editora britânica Helion & Company, Ltd publicou recentemente, em língua inglesa, na sua colecção africa@war, com o nº 25, a obra em apreço.

 Trata-se de um trabalho bem documentado acerca da actividade dos fuzileiros portugueses no antigo Ultramar, de que foi autor John P. Cann, um Professor americano que nos visitou muitas vezes e que teve a oportunidade de entrevistar muitos fuzileiros e ex-fuzileiros.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Falecimento elemento do DFE5: 342/66 Baião Rosa

Tivemos nesta precisa data conhecimento do falecimento de mais um elemento do nosso DFE5,  o Sargento-Ajudante Francisco Baião Rosa, marinheiro e barbeiro no nosso Destacamento nº 5 de Fuzileiros Especiais. 
À sua Família apresentamos as nossas muito sentidas condolências. 
O funeral é 4ª Feira dia 31 de Agosto de 2016. Vai ser cremado na Quinta do Conde por volta das 12H30.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Golpes de mão

O DFE5, como força especial, estava vocacionado para realizar vários tipos de operações ofensivas, em que o golpe de mão, realizado em várias circunstâncias, mais frequentemente durante a comissão na área de Cabo Delgado, constituía a de maior risco.
A Unidade efectuou operações deste tipo em várias circunstâncias e situações, nomeadamente  num assalto à Base de "Inhambane" *.

Golpe de mão**
: uma operação ofensiva realizada em segredo contra uma força ou instalação inimiga e que consistia no deslocamento efectuado em silêncio até às proximidades do objectivo e no ataque rápido e de surpresa para aniquilar forças lá instaladas, destruir as instalações, bases /aquartelamentos /acampamentos, material de guerra ou colher informações através de prisioneiros, documentos e equipamentos. Depois do ataque a retirada do local devia ser o mais rápida possível, o tempo mínimo indispensável para recolha e/ou inutilização de instalações e material de valor significativo, evitando constituir-se em alvo (especialmente por armas de tiro curvo - fogo de morteiro) do inimigo entretanto fugido do local.

Nota*: Nesta operação, por o DFE5 ter realizado o assalto à Base acompanhado duma Unidade doutro ramo sem a mesma preparação física e militar para o combate, podiam ter sucedido graves problemas porque no momento do assalto à Base (aos primeiros alvores), que devia ser efectuado com grande rapidez e sem perda de ligação entre os elementos da força com elementos IN (já á vista, armados e completamente desprevenidos), a outra Unidade (que vinha na rectaguarda) parou ,pondo em causa a segurança, para alguns elementos encherem os cantis num curso de água.
Questionou-se depois, em relatório de missão da nossa Unidade, que não se deviam repetir operações deste tipo com Unidades de diferente preparação.
Pensava-se que esta Base já teria sido abandonada por ter sido algum tempo atrás localizada. Tinha vários abrigos contra bombas de avião e estava efectivamente ocupada.
Nota**: Definição apropriada ao tipo de guerra em causa, da nossa responsabilidade.